Militarização de escolas da rede estadual do Paraná: posição da APP-Sindicato/Foz.

Representante dos educadores(as) da rede estadual, a APP-Sindicato/Foz reafirma que sempre foi contrária à militarização de escolas públicas, e que defende a educação plural, democrática e humanista. Para a entidade, a transferência de escolas a militares é parte de um projeto político e ideológico mantido no Paraná e no país.

O sindicato também registra que não haverá eleição nas instituições cívico-militares, o que retira o direito da comunidade escolar – educadores, estudantes, pais e mães – de escolher seus representantes. Para a entidade, haverá transferência de professores e demissões de agentes educacionais, já que serão convocados militares da reserva para atuarem como monitores.

“O governador Ratinho Junior está destruindo a escola democrática para impor a escola da censura, do silêncio, da mordaça e da farda”, expõe o presidente da APP-Sindicato/Foz, Diego Valdez. “Esse processo retira recursos dos colégios estaduais para privilegiar espaços de difusão da disciplina e da ideologia de quartel”, completa.

De acordo com o educador, outro problema é a falta de debate. “Foi uma lei aprovada a toque de caixa, sem amplo debate. Agora, o governador anuncia as escolas que poderão ser militarizadas e quer que essas instituições façam referendo em dois dias, em plena pandemia, sem qualquer controle sanitário. Não há nenhum espaço de discussão sobre uma decisão tão séria, que interfere em comunidades e escolas, na vida de educadores e de estudantes”, frisa Diego.

(APP-Sindicato/Foz)

Foz do Iguaçu

1- CE Ipê Roxo
2- CE Professora Carmelita de Souza Dias
3- CE Costa e Silva
4- CE Tarquinio Santos

STI

1- CE Angelo Benedet

SMI

1- CE Nestor Victor dos Santos

Medianeira

1- CE Tancredo Neves
2- CE Naira Felini

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

No Hospital Universitário, 82% dos leitos de UTI estão ocupados

O informe da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) emitido na noite de sábado (9) indica que dos 114 leitos da Ala Covid do Hospital Universitário (HU), 94 estavam com pacientes. Desses, 69 foram positivados para a doença, 5 negativados e 20 aguardam os resultados dos exames.

Na Ala Covid, existem 46 Unidades de Terapia Intensiva (UTI), 37 estão com pacientes. Na Enfermaria são 64 leitos, 54 estão ocupadas. Dos quatro leitos emergenciais, três estão com pacientes. Nem todos os hospitalizados são de Ponta Grossa. O HU é a unidade de referência regional da doença e recebe pacientes SUS de várias cidades. As informações são do Walter Téle Menechino – dcmais.

Na pandemia, feminicídio cresce no Paraná e 32 mulheres são mortas em 2020

Tatiana, Ana Paula e Evelaine. Cada um desses nomes representa um universo de mulheres com histórias de violência, medo e insegurança. Em comum, se tornaram vítimas de covardes em 2020 e entraram no triste número de casos de feminicídio no Paraná. Aliás, dados da Secretaria de Segurança Pública do Paraná (SESP) apontam que de janeiro até setembro do ano passado, 32 mulheres foram assassinadas. Para piorar o quadro, especialistas alertam que o número vai crescer após a pandemia do novo coronavírus.

Leia mais em Tribuna Paraná.