​UEPG realiza primeira etapa do vestibular presencial em 13 cidades

A Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) iniciou neste domingo (2) a primeira etapa das provas do vestibular 2020, que terá continuidade nesta segunda-feira (3). É a primeira universidade pública do Paraná a realizar o vestibular de forma presencial desde o início da pandemia. Os inscritos disputam 1.415 vagas em 39 cursos.

Além de Ponta Grossa, as provas ocorrem em Apucarana, Cascavel, Castro, Curitiba, Francisco Beltrão, Guarapuava, Irati, Jacarezinho, Maringá, Palmeira, Telêmaco Borba e Umuarama. O primeiro dia contou com questões de conhecimento geral e redação. Nesta segunda-feira são questões específicas.

Dos 9.946 inscritos, a edição deste ano registrou 33,75% de ausência. O número já estava previsto pela Coordenadoria de Processos de Seleção (CPS). “Ficou dentro da expectativa, considerando ser um processo de seleção realizado em uma pandemia”, disse o coordenador da CPS, Edson Luis Marchinski.

Para evitar aglomerações, as salas foram ocupadas por, no máximo, 50% da capacidade total e a entrada ocorreu com filas fracionadas e distanciamento de 1,5 metro entre os candidatos. Tudo com a orientação e fiscalização dos colaboradores.

Os candidatos também tiveram à disposição álcool em gel 70% e passaram por medição de temperatura na entrada. A UEPG adquiriu 2 mil frascos de álcool e 100 termômetros para garantir a segurança nos dias de prova.

 

O reitor Miguel Sanches Neto visitou os locais de prova e enfatizou que este foi um vestibular muito esperado pela comunidade. “Não existe aglomeração na entrada e nas salas de aula. E faremos o vestibular de maneira segura, garantindo a segurança das pessoas, mas também a manutenção das provas e o ingresso em nossa universidade”, disse.

Sanches ainda destacou a importância de todos usarem máscara e manterem o distanciamento, para que o momento traga maior tranquilidade para os vestibulando e comunidade. “A UEPG está promovendo o seu vestibular com todas as medidas de segurança de maneira absolutamente correta no ponto de vista da saúde”, finalizou.

Redação

Para a redação deste ano, os candidatos precisaram escrever um texto dissertativo-argumentativo respondendo a pergunta: “Existirá um papel social para as bibliotecas públicas no futuro do Brasil?”

A candidata Eduarda Cora Bescher não escondeu a confiança de prestar o vestibular para o curso de Jornalismo. Vinda da cidade de Reserva, no Paraná, a estudante explicou que foi um ano difícil para a preparação dos conteúdos, por conta das aulas online. “Para mim, que sou de escola pública, foi bem mais difícil o processo de estudar as matérias, mas estou aqui para dar o meu melhor”, disse.

Julio Henrique Tomoyuki Morizono tenta uma vaga no curso de Direito. “Vim de Wenceslau Braz e estou um pouco ansioso, mas estudei bastante e estou confiante que vou conseguir minha vaga”, afirmou.

Segurança

As provas ocorreram com um rígido Protocolo de Biossegurança, elaborado pela CPS/UEPG, que foi aprovado pela Secretaria de Estado da Saúde. Desde a última segunda (26) até quarta-feira (28), os profissionais que atuam no vestibular passaram pela testagem para Covid-19. Os testes envolveram a coleta de uma amostra de saliva com o método RT-PCR, que identifica a presença do vírus Sars-CoV-2 no organismo, em período de transmissão. As testagens fazem parte de uma parceria com o Setor de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

No fim de semana, os resultados dos testes apontaram que, das 1.100 pessoas que tiveram amostras coletadas, apenas cinco testaram positivo para Covid-19. As testagens serão feitas, também, 10 dias após a aplicação das provas para possibilitar o controle da disseminação do vírus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vereadores reagem contra aumento de passagem em pandemia

Comissão especial estuda meios jurídicos para reverter o reajuste da passagem.

O aumento da passagem no transporte coletivo foi recebido com críticas na Câmara de Vereadores. O reajuste para R$ 4,10, determinado pela Justiça, em plena pandemia, será alvo de ações da Comissão Especial do Transporte Coletivo.

O presidente da Casa de Leis, Ney Patrício afirmou que o Legislativo não vai aceitar a decisão sem defender os interesses coletivos.

“ Não podemos tolerar aumento de passagem em plena pandemia. Sabemos que as empresas entraram na Justiça para reajustar a passagem, obrigando o Município a cumprir, e desta forma vamos procurar, junto com o prefeito Chico Brasileiro, meios jurídicos ou administrativos para tentar reverter essa medida”, explicou Ney Patrício.

A Comissão Especial do Transporte, formada pelos vereadores Anice Gazzaoui (PL), Edvaldo Alcântara (PTB) e Jairo Cardoso (DEM), estuda ações para defender o consumidor.

“A comissão não concorda com esse aumento de passagem. E estamos levantando um estudo sobre este assunto. Sabemos que o executivo irá acatar essa decisão por ser uma ordem judicial. Mas a comissão vai estudar um meio de reverter esta situação. ” Comentou Anice Gazzaoui

“Este aumento de passagem vem em um momento crítico deste município, em meio a greve mais longa e irresponsável da história de Foz. Não iremos tolerar isso! Está comissão buscará um meio de barrar isso! Estaremos nos reunindo. ” Afirmou Edivaldo Alcântara.

Anvisa pede à população que comunique reações adversas de tratamentos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) voltou a alertar para a importância de profissionais de saúde e cidadãos comunicarem eventuais reações adversas causadas pelo uso de medicamentos ou tratamentos, incluindo vacinas.

Segundo a gerente de farmacovigilância da autarquia, Helaine Capucho, a pandemia da covid-19 conferiu ainda mais importância à farmacovigilância, já que a urgência tem obrigado autoridades sanitárias dos diversos países a, excepcionalmente, encurtarem prazos de processos e analisarem, em tempo recorde, pedidos de uso de medicamentos desenvolvidos em curto espaço de tempo.

“Isto aumenta os riscos e a necessidade de farmacovigilância”, disse Helaine, durante seminário virtual que a Anvisa realizou na manhã de hoje (20), no qual foi discutido o monitoramento de medicamentos e os desafios para a vigilância sanitária em tempos de pandemia.

“Para trazer as respostas de que precisamos, os prazos para realização de estudos [científicos] estão sendo encurtados. Em alguns casos, há também uma redução do número de participantes e do tempo de acompanhamento destes participantes”, acrescentou a gerente, mencionando também o uso dos chamados medicamentos off-label, ou seja, de produtos que os médicos, a partir da observação clínica, passam a prescrever para fins não previstos pelo fabricante e que, portanto, não constam da bula.

“Além disso, há também os casos em que, pesando os riscos e os benefícios, são empregados alguns medicamentos que já não mais vinham sendo utilizados”, disse Helaine, admitindo que o uso de remédios off-label, bem como de outros considerados menos eficazes que os mais modernos, pode ser uma resposta ao risco de desabastecimento.

“Por isso, a Anvisa vem conversando com as produtoras e importadoras destes medicamentos, para tentar evitar o desabastecimento”, disse Helaine, reforçando a importância de cidadãos e profissionais de saúde relatarem quaisquer efeitos colaterais causados por remédios ou tratamentos. O que pode ser feito por meio do VigiMed, sistema gratuito de informações que pode ser acessado a partir da página da Anvisa, na internet.

“Temos produtos novos e precisamos monitorar o que está acontecendo. Muitas vezes, ficamos sabendo dos efeitos adversos pela mídia”, comentou Helena, destacando a necessidade dos hospitais acompanharem com atenção os efeitos de medicamentos aprovados para uso em pacientes com a covid-19.

Atualmente, apenas o Remdesivir e o uso combinado dos medicamentos Banlanivimabe e Etesevimabe contam com o aval da Anvisa, para uso em algumas situações.

“É muito importante que estes medicamentos entrem na monitoração intensiva por parte dos hospitais que os adotarem. Que eles monitorem intensivamente [o emprego conforme recomendado] e notifiquem [eventuais reações adversas]. Até porque, isso pode subsidiar futuras decisões”, explicou a gerente da Anvisa, pedindo aos profissionais de saúde que sempre orientem seus pacientes a relatarem possíveis efeitos adversos de qualquer medicamento ou tratamento.

“Os cidadãos devem ser orientados a reportar efeitos adversos a qualquer tempo. Se [for um efeito] grave, a pessoa provavelmente vai voltar a procurar a instituição de saúde, mas é importante orientar as pessoas a notificarem também as reações menos graves; a informarem [a vigilância sanitária] o que tomou, quando tomou, quando começaram os sintomas e de que tipo foram”, alertou Helena, lembrando que quem não é médico também pode utilizar o sistema VigiMed para notificar eventuais reações colaterais.