Turismo de Foz do Iguaçu tem melhor novembro desde 2019

Ocupação de hotéis, visitação nos atrativos, eventos e black friday potencializam movimento turístico no final de ano na tríplice fronteira

O turismo de Foz do Iguaçu vai ter o melhor novembro desde 2019, pico de movimentação na tríplice fronteira. Os números falam por si e incluem a ocupação hoteleira, a visitação nos atrativos, as black fridays paraguaia e brasileira, o movimento no aeroporto internacional, na rodoviária, na BR-277, bares e restaurantes e a abertura de novos postos de trabalho.

O Parque Nacional do Iguaçu, o principal indicativo do movimento turístico, já recebeu 117.532 visitantes entre 1º e 21 novembro e a expectativa é de 170 mil turistas até o final do mês. Os números são maiores do mesmo período de 2021 (85.999 visitantes) e 2020 (47.371) e apenas menor do que 2019 (196.685 visitantes). No ano de 2019, o parque teve seu recorde histórico com mais de dois milhões de visitantes.

Veja também

O aumento na visitação no feriado também foi registrado em outros quatro atrativos: Parque das Aves (15.435 mil visitantes), Dreams Park Show (22 mil), Marco das Três Fronteiras (10.996 visitantes), Itaipu Binacional (9.511) e Roda Gigante Yup Star.

Outro dado que reflete o entusiasmo no setor está na ocupação dos 23 mil leitos dos hotéis. Dados do SindHotéis que inclui o feriado (de 12 a 15 de novembro) apontam uma ocupação média de 81% com picos de 88% (hotéis duas estrelas), 86% (três estrelas) e 82% (quatro estrelas). Resorts (75%) hotéis cinco (74%) puxaram a média para 81%.

Comemoração

“A recuperação é digna de comemoração. O feriado, os grandes eventos, a black friday resultam nesse intenso movimento. Os hotéis lotados, eventos com com três mil, cinco mil participantes, visitação nos atrativos em alta, turismo de compras em alta, movimento acima da média do aeroporto, rodoviária e na BR. É o melhor momento que temos na nossa economia, com mais empregos e com o mês de dezembro que deve seguir esse ritmo”, disse o prefeito Chico Brasileiro.

A abertura de postos de trabalho e a intensa procura para preencher as vagas são mais indicativos do franco movimento do setor. O SindHotéis já fez três mutirões de empregos e abriu mais de 900 vagas. Na quarta-feira, 22, foram mais 222 vagas.O presidente do sindicato, Marcelo Martini, afirma que a tendência deve se manter até fevereiro e estuda “novas promoções” para a baixa temporada em 2023. “É um ótimo movimento, sem precedentes mesmo, esperamos intensificar a divulgação e estudamos novas promoções na hotelaria, do tipo pague três diárias e fique quatro”, sinaliza.

Black friday

A black friday paraguaia durante o feriado da República também surpreendeu. A Câmara de Comércio e Serviços de Ciudad del Este afirma que foram mais de 175 mil visitantes nas lojas da cidade paraguaia, que movimentaram mais de US$ 260 milhões (R$ 1,4 bilhão), um faturamento 30% maior do que em 2021.

A CellShop, que vai liderar “o descontão” brasileiro a partir desta quinta-feira, 24, em Foz do Iguaçu, registrou um movimento de 20 mil clientes por (100 mil nos cincos) e afirma que os eletrônicos foram os itens mais procurados.

O setor hoteleiro da cidade paraguaia também acompanhou o pico do turismo de compras. A Associação de Hotéis do Alto Paraná levantou níveis de ocupação entre 85 e 90% nos hotéis de Ciudad del Este e entre 45 e 70% nos mais afastados.

Desconto de 80%

Nesta sexta-feira, o novembro vai continuar aquecido. Com uma cota de US$ 500 (R$ 2,6 mil), o brasileiro pode comprar produtos, com cartão de crédito em até 12 parcelas sem juros, produtos nas três lojas francas de Foz do Iguaçu. A Cellshop promete descontos de até 80% em todos os 1,5 mil produtos de seus departamentos.

Como em Ciudad del Este, a loja espera que os turistas antecipem as compras de fim de ano com os descontos oferecidos. É a segunda edição da black friday nas lojas que esperam um movimento 50% superior ao de 2021. “Hotéis, bares, cantinas, cafés, churrascarias, restaurantes e os atrativos também terão impacto, um aquecimento neste período”, indica Marcelo Martini.

O turismo de compras é uma tendência que a própria Cellshop já anunciou para janeiro de 2023 a abertura de uma loja franca no Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu. O espaço terá 800 metros quadrados na área de embarque doméstico do terminal. “Além deste espaço principal, haverá uma segunda unidade, mais próxima aos portões de embarque. Com esta extensão, temos um um novo patamar para o ambiente de compras na tríplice fronteira”.

Eventos

Nas últimas duas semanas, incluindo esta, Foz do Iguaçu está recebendo mais três grandes eventos com mais de sete mil participantes. O Governo 5.0 reuniu prefeitos de 350 cidades paranaenses e mais de quatro mil pessoas, entre gestores, vereadores, secretários e deputados.

A partir desta quinta-feira, 24, Foz será sede do 5º Congresso Latinoamericano de Dermatologia Veterinária e da 5ª quinta edição do Congresso Anual da Faciap (Federação das Associações Comerciais e Empresariais). Na próxima quarta, 30, começa a 17ª edição do Festival das Cataratas que espera mais cinco mil pessoas no Hotel Rafain Palace. Em novembro, serão 19 eventos de porte.

“O turismo de eventos é cada vez maior e traz empregos, renda e riqueza para Foz do Iguaçu. Movimenta toda a cadeia do turismo, desde o receptivo, os hotéis, o pessoal que trabalha nos próprios eventos na montagem e desmontagem de estandes e painéis, guias, motoristas, enfim, uma grande gama de trabalhadores e profissionais do setor”, disse o prefeito Chico Brasileiro.

O aeroporto internacional ainda não fechou os números da movimentação e esperava 23.593 mil passageiros no feriado. Entre pousos e decolagens, 160 operações de aeronaves no período. Na rodoviária, o movimento diário é de mais 1,2 mil passageiros. Atualmente, 21 empresas operam no terminal com um movimento médio mensal de 4.297 ônibus entre chegadas, saídas e trânsito de aproximadamente 72.805 passageiros por mês, segundo a administração do local.

4 Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Foz do Iguaçu vai ganhar parque urbano com tecnologia 5.0. Conheça o projeto!

Concurso para a escolha do projeto arquitetônico do Ecoparque Itaipu, nos arredores do Arroio Jupira, foi lançado nesta segunda-feira (19) em uma parceria da binacional, Prefeitura de Foz e Instituto de Arquitetos do Brasil

Moradores e turistas de Foz do Iguaçu vão ganhar um parque natural urbano, nos arredores do Arroio Jupira, na Vila A, com trilhas especializadas para interação com a natureza, projetos de educação ambiental, ações de melhoria da saúde física e mental dos frequentadores e uma estrutura completa de atendimento ao público. 

O concurso nacional para a escolha do projeto arquitetônico do Ecoparque Itaipu foi anunciado nesta segunda-feira (19), pela Itaipu Binacional, a Prefeitura de Foz do Iguaçu e o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) – Departamento do Paraná (IAB/PR). As inscrições serão abertas em 10 de janeiro e poderão ser feitas até 27 de fevereiro, com premiação total de R$ 120 mil.

O novo parque ficará em uma área de 114 hectares pertencente à Itaipu e hoje circundada por uma ciclovia com 4.800 metros de extensão. O superintendente de Gestão Ambiental da Itaipu, Ariel Scheffer da Silva, disse que a ideia é empregar no projeto o conceito de soluções tecnológicas 5.0, voltadas para o bem-estar das pessoas e conservação do meio ambiente. 

Projeto prevê novo espaço para atividades junto à natureza em Foz (Foto: Captura de Tela/VideoUp)

Segundo ele, “Foz do Iguaçu, como muitas cidades, tem um déficit ambiental muito grande. E essas áreas verdes, quando existem, nem sempre são acessíveis à população”. “Estamos trazendo um conceito novo de qualificação ambiental em áreas urbanas, que poderá ser replicado no Brasil e no mundo”, completou. 

Entre as tecnologias previstas para o local estão wi-fi gratuito, reconhecimento facial e medição de temperatura corporal. Também haverá torres de observação, pontes e espelhos d’água, trilhas sensoriais e de ciclismo, com experiências diferentes para públicos diversos – como idosos e PcDs. A atual Trilha do Vietnã será readequada.

Ariel cita como exemplo de inovação as trilhas voltadas para pessoas em recuperação de problemas cardíacos ou pulmonares. “Queremos fazer parcerias com hospitais para que as pessoas em convalescência possam ter contato com a natureza, fazer um pouco de exercício, mas com monitoramento adequado, usando tecnologias adequadas para a saúde.”

(Foto: Captura de Tela/VideoUp)

Leia também

“A forma como esse projeto foi concebida é inédita no mundo”, destacou o arquiteto Luiz Reis, presidente do IAB/PR. O coordenador do concurso, Jeferson Dantas Navolar, também do IAB/PR, informou que os escritórios de arquitetura interessados já podem acessar o site do concurso (https://concursoecoparqueitaipu.com) para obter informações. A expectativa é que todo o processo seja concluído no primeiro semestre de 2023. Já os custos e o prazo de execução da obra dependerão da complexidade do projeto escolhido.

“A Itaipu tem uma faceta que talvez não seja tão conhecida, mas é tão importante quanto a energia limpa e renovável que produzimos”, afirmou o diretor-geral brasileiro, Anatalicio Risden Junior. “Somos reconhecidos internacionalmente pelo trabalho ambiental e de desenvolvimento social da região. Esta ação é uma forma de trazer para a cidade de Foz do Iguaçu mais um evento para torná-la o primeiro destino de estrangeiros no Brasil. Isso se constrói com pequenas ações, pequenas atitudes, e essa é uma delas”, completou.

(Foto: Rubens Fraulini/Itaipu Binacional)

O diretor de Coordenação da Itaipu, Luiz Felipe Carbonell, disse que a iniciativa contempla dois objetivos: em primeiro lugar, dar um presente a Foz do Iguaçu, às vésperas do Natal, permitindo, no futuro, que o turista fique mais tempo na cidade; a segunda é investir em um espaço que é importante para Itaipu, porque foi ali que a empresa implementou as primeiras ações de recuperação florestal, que hoje são reconhecidas internacionalmente.

com informações do CabezaNews, parceiro do Busão Foz

Consumo das classes C e D no Paraná cresceu em outubro, aponta pesquisa da Superdigital

A primeira parcela do 13º salário será paga até o próximo dia 30 de novembro. E a segunda, até 20 de dezembro, trazendo injeção de recursos extras para a população. No Paraná, estado com maior parcela de endividados do país, o destino prioritário da gratificação de fim de ano será o pagamento de dívidas. Segundo sondagem da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR) e do Sebrae/PR, 46,6% dos paranaenses vão utilizar o 13º para pagar dívidas. O volume é superior aos 43,5% registrados no ano passado, bem como aos 36% de assalariados ouvidos em 2020 que afirmavam que quitariam seus débitos.  

O coordenador de Desenvolvimento Empresarial da Fecomércio PR, Rodrigo Schmidt, observa que o pagamento do 13º salário deve injetar R$ 15 bilhões na economia paranaense, conforme projeção do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

“Pela pesquisa da Fecomércio PR e Sebrae/PR, no Paraná, esse montante será utilizado principalmente para a quitação de dívidas, tendência que se ampliou com relação ao ano passado, e como segunda opção a realização de investimento e reserva financeira, seguido pela compra de presentes e viagens e turismo. O benefício, além do impacto pessoal, gera um efeito positivo para o comércio, que neste ano tem uma alavanca extra em função da realização da Copa do Mundo, além da Black Friday e Natal”, pontua.

Outra utilização do 13º salário será para fazer uma reserva ou investimento financeiro para 35,8% da população ouvida. No ano passado, a proporção de quem colocaria o valor na poupança ou em investimentos era maior, de 42,3% e em 2020, de 47,8%.

A compra de presentes com o dinheiro extra a ser recebido será a opção de 16,2% dos paranaenses, sendo que no ano passado 30,1% afirmavam que fariam isso. Na sequência, foram citadas viagens e turismo, com também 16,2%.

Apenas 3,9% utilizarão o 13º para pagar impostos e taxas, ante 28% em 2021 e 18,8% em 2020.  

Para o consultor do Sebrae/PR, Lucas Hahn, o comércio e o varejo devem notar uma queda na utilização do benefício para novas aquisições. Porém, os setores devem se preparar para as festas de fim de ano, um dos períodos com maior fluxo de compras.

“É possível notar que o uso do 13º para pagamentos de impostos e taxas diminuiu, consideravelmente, em comparação com 2021. Um dos fatores pode ser o melhor preparo da população prevendo os gastos desse momento. Tendo conhecimento de como foi no passado, é possível utilizar parte do valor recebido em presentes ou mesmo em viagens e turismo, área que ficou adormecida em anos anteriores e que está em alta nesse momento”, afirma.

Crédito: Marcelo Camargo- Agência Brasil

via redação Busão Curitiba