TSE registra 264 crimes de violência contra candidatos desde janeiro

De janeiro até agora, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contabilizou 264 crimes de violência contra candidatos e pré-candidatos nas eleições municipais 2020. Desses, chegam a 100 os homicídios consumados ou tentados.

Os números do levantamento parcial foram apresentados hoje (24) pelo presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, e representam um aumento de cinco vezes em relação ao registrado no mesmo período de 2016, ano das eleições municipais anteriores, quando foram registrados 46 crimes de violência contra candidatos.

Vale lembrar que em novembro de 2016 o segundo turno das eleições já havia ocorrido. Neste ano, devido ao adiamento da votação provocado pela pandemia do novo coronavírus, o segundo turno será realizado apenas em 29 de novembro.

Os dados incluem ocorrências registradas antes da confirmação das candidaturas, em setembro deste ano. Nesses casos, foram contabilizados crimes contra pessoas que se declaravam dispostas a concorrer a eleição.

Em um pronunciamento divulgado nesta terça-feira (24), Barroso destacou como ponto de atenção o aumento dos crimes contra candidatos nas eleições deste ano. “A violência é incompatível com a democracia. É preciso jogar limpo e civilizadamente e os órgãos de segurança pública estão vigilantes em relação ao crime organizado”, disse ele.

Homicídios e ameaças

De acordo com as informações do TSE, dos 100 homicídios tentados ou consumados contra candidatos desde janeiro, 67 ocorreram somente em outubro e dezembro, quando todas as candidaturas já estavam confirmadas pelos partidos.

Desde janeiro, 45 candidatos e pré-candidatos foram assassinados, 12 dos quais entre outubro e novembro. A maior parte dos casos ocorreu no Sudeste.

Em relação às ameaças, foram 146 registros desde janeiro até o momento, 109 dos quais entre outubro e novembro. Também desde o início do ano, o TSE contabilizou 18 crimes de lesão corporal conta candidatos e pré-candidatos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prefeitos eleitos no 2º turno das eleições 2020; veja lista

Eleitores de 57 cidades brasileiras foram às urnas neste domingo (29) para voltar no 2º turno da eleição para prefeito.

Desses municípios, 18 são capitais.

Lista de prefeitos eleitos no 2º turno das eleições 2020

 

  1. Anápolis (GO): Roberto Naves (PP)
  2. Aracaju (SE): Edvaldo Nogueira (PDT)
  3. Bauru (SP): Suéllen Rosim (Patriota)
  4. Belém (PA): Edmilson Rodrigues (PSOL)
  5. Blumenau (SC): Mário Hildebrandt (Podemos)
  6. Boa Vista (RR): Arthur Henrique (MDB)
  7. Campinas (SP): Dário Saadi (Republicanos)
  8. Campos dos Goytacazes (RJ): Wladimir Garotinho (PSD) – sub judice
  9. Canoas (RS): Jairo Jorge (PSD)
  10. Cariacica (ES): Euclerio Sampaio (DEM)
  11. Caucaia (CE): Vitor Valim (PROS)
  12. Caxias do Sul (RS): Adiló (PSDB)
  13. Contagem (MG): Marília Campos (PT)
  14. Cuiabá (MT): Emanuel Pinheiro (MDB)
  15. Diadema (SP): Filippi Júnior (PT)
  16. Feira de Santana (BA): Colbert Martins (MDB)
  17. Fortaleza (CE): Sarto Nogueira (PDT)
  18. Franca (SP): Alexandre Ferreira (MDB)
  19. Goiânia (GO): Maguito Vilela (MDB)
  20. Governador Valadares (MG): André Merlo (PSDB)
  21. Guarulhos (SP): Guti (PSD)
  22. João Pessoa (PB): Cicero Lucena (Progressistas)
  23. Joinville (SC): Adriano Silva (Novo)
  24. Juiz de Fora (MG): Margarida Salomão (PT)
  25. Limeira (SP): Mario Botion (PSD)
  26. Maceió (AL): JHC (PSB)
  27. Manaus (AM): David Almeida (Avante)
  28. Mauá (SP): Marcelo Oliveira (PT)
  29. Mogi das Cruzes (SP): Caio Cunha (Podemos)
  30. Paulista (PE): Yves Ribeiro (MDB)
  31. Pelotas (RS): Paula Mascarenhas (PSDB)
  32. Petrópolis (RJ): Rubens Bomtempo (PSB) – sub judice
  33. Piracicaba (SP): Luciano Almeida (DEM)
  34. Ponta Grossa (PR): Professora Elizabeth (PSD)
  35. Porto Alegre (RS): Sebastião Melo (MDB)
  36. Porto Velho (RO): Hildon Chaves (PSDB)
  37. Praia Grande (SP): Raquel Chini (PSDB)
  38. Recife (PE): João Campos (PSB)
  39. Ribeirão Preto (SP): Duarte Nogueira (PSDB)
  40. Rio de Janeiro (RJ): Eduardo Paes (DEM)
  41. Rio Branco (AC): Tião Bocalom (PP)
  42. Santa Maria (RS): Jorge Pozzobom (PSDB)
  43. Santarém (PA): Nélio Aguiar (DEM)
  44. São Gonçalo (RJ): Capitão Nelson (Avante)
  45. São João de Meriti (RJ): Dr João (DEM)
  46. São Luís (MA)Eduardo Braide (Podemos)
  47. São Paulo (SP): Bruno Covas (PSDB)
  48. São Vicente (SP): Kayo Amado (Podemos)
  49. Serra (ES): Sergio Vidigal (PDT)
  50. Sorocaba (SP): Rodrigo Manga (Republicanos)
  51. Taboão da Serra (SP): Aprigio (Podemos)
  52. Taubaté (SP): Saud (MDB)
  53. Teresina (PI): Dr. Pessoa (MDB)
  54. Uberaba (MG): Elisa Araújo (Solidariedade)
  55. Vila Velha (ES): Arnaldinho Borgo (Podemos)
  56. Vitória (ES): Delegado Pazolini (Republicanos)
  57. Vitória da Conquista (BA): Herzem Gusmão (MDB)

As informações são do G1

TSE registra 713 urnas substituídas durante a votação

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informou há pouco que 713 urnas eletrônicas apresentaram defeito e foram substituídas durante o horário da votação. O número corresponde a 0,49% do contingente de 97.024 equipamentos que estão sendo utilizados em todo o país.

Segundo o tribunal, devido ao defeito apresentado em uma urna, a votação ocorreu de forma manual em uma seção eleitoral de São Paulo.

A votação do segundo turno das eleições municipais foi encerrada às 17h (horário de Brasília) na maior parte do país. As seções continuam abertas em Rio Branco, que tem duas horas de diferença em relação ao horário da capital federal.

Cerca de 38 milhões de pessoas estavam aptas a participar do pleito. Em 57 municípios do país, sendo 18 capitais e 39 municípios com mais de 200 mil eleitores, nenhum dos candidatos a prefeito atingiu a maioria absoluta dos votos para ser eleito no primeiro turno, realizado em 15 de novembro.