Ministério vai reavaliar critério de distribuição de vacinas ao Paraná

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) disse que espera  a reavaliação do Ministério Saúde na distribuição das cotas de vacinas contra o coronavírus entre os estados. A defasagem foi admitida pelo ministro Marcelo Queiroga nesta terça-feira, 6, durante reunião, em Brasília, com o governador Ratinho Junior.

Romanelli tem alertado, desde as primeiras remessas, que o Paraná vem sendo prejudicado na divisão das vacinas, recebendo uma quantidade menor de doses em relação a outros Estados que possuem populações semelhantes ou até menores.

“Tenho questionado desde o início sobre o volume de vacinas entregues ao Paraná. Para se ter uma ideia, capitais como Fortaleza, Salvador e Campo Grande, já estão na faixa etária de 62 anos e nós aqui em Curitiba estamos travados nos 67 anos. Tem que ter uma explicação lógica”, disse.

Queiroga disse a Ratinho Junior que pode estar havendo defasagem na entrega de vacinas ao Paraná em relação às outras unidades da federação. As informações utilizadas pelo Ministério, em relação aos grupos prioritários, foram extraídas do censo de 2010, o que, segundo Queiroga, gera um descompasso com os dados atuais.

O ministro se comprometeu a reavaliar os dados para possivelmente incorporar, nos próximos lotes, doses que compensem essa defasagem.

Doses – 
 Além da recomposição de quantitativos de vacinas contra a Covid-19, a pauta do encontro envolveu reedição da lei federal 13.979/20, que permitia contratações emergenciais, com dispensa de licitação, para atender necessidades de enfrentamento célere da pandemia.

“Tivemos uma boa conversa com o ministro, que nos confirmou a chegada de novas doses entre quinta ou sexta-feira e uma previsão de mais de 30 milhões de doses para o Brasil em abril, garantindo assim a primeira dose a mais grupos e as segundas doses de quem já foi imunizado”, afirmou o governador.

A previsão do Ministério da Saúde, segundo Queiroga, é de distribuir 30,5 milhões de doses nas próximas semanas e começar a imunizar até 1 milhão de pessoas por dia. O Paraná já recebeu 11 lotes de vacinas do Ministério da Saúde, totalizando 2.253.300 unidades, e imunizou mais de 1,2 milhão de pessoas.

com informações do CabezaNews, parceiro do Busão Foz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Casal é preso com mais de R$ 1 milhão em dinheiro vivo no interior do PR

Um casal foi preso em flagrante, neste sábado (10), com mais de R$ 1,2 milhão em dinheiro vivo, sem comprovação de origem. O caso foi registrado na BR-277, em Cascavel, no oeste do Paraná.

O caso foi repassado pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) à Polícia Federal.

Segundo os agentes que efetuaram as prisões em flagrante, o casal foi abordado durante uma inspeção de rotina. O motorista se apresentou como policial civil, com carteira funcional e uma arma da corporação.

Ao vistoriarem o interior do veículo, os policiais rodoviários federais encontraram sacolas e uma caixa de papelão com uma grande quantia de dinheiro vivo.

As informações são do Paraná Portal

com informações do CabezaNews, parceiro do Busão Foz

Foz do Iguaçu identifica frascos de CoronaVac com quantidade menor de doses

Outras cidades do Paraná também encontraram frascos da vacina com menor rendimento. A Secretaria de Estado de Saúde acompanha os relatos

Pelo menos sete municípios do Paraná, entre eles Foz do Iguaçu, identificaram frascos de vacina CoronaVac com quantidades menores de imunizante que as descritas na embalagem. Segundo as prefeituras, os frascos com problema tiveram rendimento menor de aplicação, sendo suficientes para apenas nove doses, enquanto o previsto na embalagem eram 10.

De acordo com informações do G1 Paraná, em Foz do Iguaçu a Secretaria Municipal de Saúde confirmou a identificação de frascos com menos dose, mas disse que ainda não fez notificação ao Ministério da Saúde. O mesmo problema também foi encontrado em Curitiba, Londrina, Cianorte, Umuarama, Ponta Grossa e Cascavel.

Procurado pela reportagem, o Instituto Butantan afirmou que os frascos da CoronaVac são envasados com 5,7 mL e que o problema “não se trata de falha nos processos de produção ou liberação dos lotes pelo Butantan”.

“Todas as notificações recebidas pelo instituto até o momento relatando suposto rendimento menor das ampolas foram devidamente investigadas, e identificou-se, em todos os casos, prática incorreta na extração das doses nos serviços de vacinação”, cita trecho da nota.

Por meio de nota, a Anvisa afirmou que “observou um aumento de queixas técnicas relacionadas à redução de volume nas ampolas da vacina” e que os relatos estão sendo investigados como prioridade pela área de fiscalização da agência.

Disse, ainda, que avalia todas as hipóteses “para que se verifique a origem do problema e não haja prejuízos à vacinação em curso no país”.

Procurada, a Secretaria de Estado de Saúde (Sesa) informou que os registros acontecem nas 27 unidades federativas e que a secretaria acompanha os relatos. Além disso, disse que todas as regionais de saúde e municípios estão orientados de como proceder caso identifiquem o problema.

As informações são de Portal da Cidade

com informações do CabezaNews, parceiro do Busão Foz