Foz do Iguaçu participa da 27° Cúpula de Mercocidades em Montevidéu

Mais de 50 lideranças de governos locais sul-americanos estão reunidas para debater o tema “Cidades amigas, cidades mais verdes”

A Prefeitura de Foz do Iguaçu participa da 27ª Cúpula de Redes Mercocidades em Montevidéu, no Uruguai, que acontece entre terça-feira (29) e quinta-feira (01). O evento reúne lideranças de governos da América Latina para debater iniciativas voltadas à sustentabilidade, cuidados e inovações nas cidades.

A Rede Mercocidades é uma organização de cooperação horizontal entre municípios dos países membros do Mercosul, que visa construir uma integração regional respeitosa e uma cidadania participativa e sem fronteiras. O grupo integra 364 cidades de 10 países do continente.

Veja também

Foz do Iguaçu faz parte da rede desde 2001. O Município tem buscado estabelecer diálogos e parcerias que potencializem a integração e as relações de fraternidade com as demais cidades, criando políticas públicas conjuntas para estimular a troca de experiências.

Jihad ressaltou a importância de Foz do Iguaçu trabalhar em redes de cooperação. “O município vem ampliando sua participação em Redes de Cidades e Redes de Cooperação, pois entende a importância da crescente autonomia de atuação subnacional dos municípios e a importância de trabalhar em redes de cooperação, potencializando as boas práticas que colaborem em novos laços de integração regional e contribuam para a internacionalização da cidade”.

Agenda

No primeiro dia do evento, Foz do Iguaçu, que faz parte da subcoordenadoria da Unidade Temática de Integração Fronteiriça, apresentou os avanços realizados na região trinacional como a realização de encontros trinacionais para debater com os gestores públicos as boas práticas, os desafios e propostas conjuntas para a formação de uma governança fronteiriça nos temas de maior interesse, estimulando o diálogo e a troca de experiência. O Município é representado no evento pelo diretor de Assuntos Internacionais, Jihad Abu Ali.

No dia 30, participou da Unidade Temática de Direitos Humanos e Migrações para debater os avanços dos governos locais sobre políticas e atividades voltadas às migrações e refugiados. Em parceria com a Secretaria de Direitos Humanos e Relações com a Comunidade, foram apresentadas as políticas públicas desenvolvidas em Foz como a Criação do Comitê Municipal de Atenção aos Migrantes, Refugiados e Apátridas e a Cartilha para Migrantes e Refugiados, como também o Protocolo do Migrante, que estabelece o fluxo de atendimento aos migrantes em Foz do Iguaçu.

À noite, durante o Espetáculo Musical oferecido aos convidados da Cúpula, o diretor de Assuntos Internacionais entregou a prefeita de Montevidéu, Caroline Cosse, que assumiu a presidência da rede para o ano de 2023, o livro “A Fantástica História de Foz do Iguaçu” com os cumprimentos do prefeito Chico Brasileiro. Também a convidou para conhecer Foz, já que a partir do dia 20 de dezembro haverá um voo direto entre a cidade e Montevidéu.

1 Comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Foz do Iguaçu vai ganhar parque urbano com tecnologia 5.0. Conheça o projeto!

Concurso para a escolha do projeto arquitetônico do Ecoparque Itaipu, nos arredores do Arroio Jupira, foi lançado nesta segunda-feira (19) em uma parceria da binacional, Prefeitura de Foz e Instituto de Arquitetos do Brasil

Moradores e turistas de Foz do Iguaçu vão ganhar um parque natural urbano, nos arredores do Arroio Jupira, na Vila A, com trilhas especializadas para interação com a natureza, projetos de educação ambiental, ações de melhoria da saúde física e mental dos frequentadores e uma estrutura completa de atendimento ao público. 

O concurso nacional para a escolha do projeto arquitetônico do Ecoparque Itaipu foi anunciado nesta segunda-feira (19), pela Itaipu Binacional, a Prefeitura de Foz do Iguaçu e o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) – Departamento do Paraná (IAB/PR). As inscrições serão abertas em 10 de janeiro e poderão ser feitas até 27 de fevereiro, com premiação total de R$ 120 mil.

O novo parque ficará em uma área de 114 hectares pertencente à Itaipu e hoje circundada por uma ciclovia com 4.800 metros de extensão. O superintendente de Gestão Ambiental da Itaipu, Ariel Scheffer da Silva, disse que a ideia é empregar no projeto o conceito de soluções tecnológicas 5.0, voltadas para o bem-estar das pessoas e conservação do meio ambiente. 

Projeto prevê novo espaço para atividades junto à natureza em Foz (Foto: Captura de Tela/VideoUp)

Segundo ele, “Foz do Iguaçu, como muitas cidades, tem um déficit ambiental muito grande. E essas áreas verdes, quando existem, nem sempre são acessíveis à população”. “Estamos trazendo um conceito novo de qualificação ambiental em áreas urbanas, que poderá ser replicado no Brasil e no mundo”, completou. 

Entre as tecnologias previstas para o local estão wi-fi gratuito, reconhecimento facial e medição de temperatura corporal. Também haverá torres de observação, pontes e espelhos d’água, trilhas sensoriais e de ciclismo, com experiências diferentes para públicos diversos – como idosos e PcDs. A atual Trilha do Vietnã será readequada.

Ariel cita como exemplo de inovação as trilhas voltadas para pessoas em recuperação de problemas cardíacos ou pulmonares. “Queremos fazer parcerias com hospitais para que as pessoas em convalescência possam ter contato com a natureza, fazer um pouco de exercício, mas com monitoramento adequado, usando tecnologias adequadas para a saúde.”

(Foto: Captura de Tela/VideoUp)

Leia também

“A forma como esse projeto foi concebida é inédita no mundo”, destacou o arquiteto Luiz Reis, presidente do IAB/PR. O coordenador do concurso, Jeferson Dantas Navolar, também do IAB/PR, informou que os escritórios de arquitetura interessados já podem acessar o site do concurso (https://concursoecoparqueitaipu.com) para obter informações. A expectativa é que todo o processo seja concluído no primeiro semestre de 2023. Já os custos e o prazo de execução da obra dependerão da complexidade do projeto escolhido.

“A Itaipu tem uma faceta que talvez não seja tão conhecida, mas é tão importante quanto a energia limpa e renovável que produzimos”, afirmou o diretor-geral brasileiro, Anatalicio Risden Junior. “Somos reconhecidos internacionalmente pelo trabalho ambiental e de desenvolvimento social da região. Esta ação é uma forma de trazer para a cidade de Foz do Iguaçu mais um evento para torná-la o primeiro destino de estrangeiros no Brasil. Isso se constrói com pequenas ações, pequenas atitudes, e essa é uma delas”, completou.

(Foto: Rubens Fraulini/Itaipu Binacional)

O diretor de Coordenação da Itaipu, Luiz Felipe Carbonell, disse que a iniciativa contempla dois objetivos: em primeiro lugar, dar um presente a Foz do Iguaçu, às vésperas do Natal, permitindo, no futuro, que o turista fique mais tempo na cidade; a segunda é investir em um espaço que é importante para Itaipu, porque foi ali que a empresa implementou as primeiras ações de recuperação florestal, que hoje são reconhecidas internacionalmente.

com informações do CabezaNews, parceiro do Busão Foz

Consumo das classes C e D no Paraná cresceu em outubro, aponta pesquisa da Superdigital

A primeira parcela do 13º salário será paga até o próximo dia 30 de novembro. E a segunda, até 20 de dezembro, trazendo injeção de recursos extras para a população. No Paraná, estado com maior parcela de endividados do país, o destino prioritário da gratificação de fim de ano será o pagamento de dívidas. Segundo sondagem da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR) e do Sebrae/PR, 46,6% dos paranaenses vão utilizar o 13º para pagar dívidas. O volume é superior aos 43,5% registrados no ano passado, bem como aos 36% de assalariados ouvidos em 2020 que afirmavam que quitariam seus débitos.  

O coordenador de Desenvolvimento Empresarial da Fecomércio PR, Rodrigo Schmidt, observa que o pagamento do 13º salário deve injetar R$ 15 bilhões na economia paranaense, conforme projeção do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

“Pela pesquisa da Fecomércio PR e Sebrae/PR, no Paraná, esse montante será utilizado principalmente para a quitação de dívidas, tendência que se ampliou com relação ao ano passado, e como segunda opção a realização de investimento e reserva financeira, seguido pela compra de presentes e viagens e turismo. O benefício, além do impacto pessoal, gera um efeito positivo para o comércio, que neste ano tem uma alavanca extra em função da realização da Copa do Mundo, além da Black Friday e Natal”, pontua.

Outra utilização do 13º salário será para fazer uma reserva ou investimento financeiro para 35,8% da população ouvida. No ano passado, a proporção de quem colocaria o valor na poupança ou em investimentos era maior, de 42,3% e em 2020, de 47,8%.

A compra de presentes com o dinheiro extra a ser recebido será a opção de 16,2% dos paranaenses, sendo que no ano passado 30,1% afirmavam que fariam isso. Na sequência, foram citadas viagens e turismo, com também 16,2%.

Apenas 3,9% utilizarão o 13º para pagar impostos e taxas, ante 28% em 2021 e 18,8% em 2020.  

Para o consultor do Sebrae/PR, Lucas Hahn, o comércio e o varejo devem notar uma queda na utilização do benefício para novas aquisições. Porém, os setores devem se preparar para as festas de fim de ano, um dos períodos com maior fluxo de compras.

“É possível notar que o uso do 13º para pagamentos de impostos e taxas diminuiu, consideravelmente, em comparação com 2021. Um dos fatores pode ser o melhor preparo da população prevendo os gastos desse momento. Tendo conhecimento de como foi no passado, é possível utilizar parte do valor recebido em presentes ou mesmo em viagens e turismo, área que ficou adormecida em anos anteriores e que está em alta nesse momento”, afirma.

Crédito: Marcelo Camargo- Agência Brasil

via redação Busão Curitiba