Centro de Especialidades Médicas de Foz terá ambulatório para acompanhar gestações de alto risco

As pacientes serão encaminhadas ao CEM pelo programa Saúde da Família e receberão acompanhamento conforme a necessidade dos casos

Desde terça-feira (6), o Centro de Especialidades Médicas (CEM) de Foz do Iguaçu oferece um atendimento exclusivo a mulheres com gestação de alto risco. O ambulatório conta com um obstetra e um auxiliar de enfermagem exclusivo para as consultas.

As pacientes serão encaminhadas por meio dos médicos e enfermeiros do programa Saúde da Família, que farão o agendamento via sistema, de acordo com a complexidade dos casos, com frequência semanal, quinzenal ou mensal.

Segundo Elisandra de Araujo, gerente técnica do CEM, entre os equipamentos à disposição para as consultas estão o ultrassom e o cardiotocógrafo. Com a mudança, os atendimentos relacionados a esses casos saem das Unidades Básicas de Saúde e passam a ficar centralizados.

“São aparelhos que o médico terá à disposição no consultório e ajudarão a monitorar a situação dos casos e fazer o acompanhamento conforme a necessidade. Com essa alteração, mantemos o objetivo de organizar a rede”, afirma.

De acordo com a secretária municipal de Saúde, Rosa Maria Jeronymo, a mudança vai permitir um melhor acompanhamento das gestações de alto risco. “O objetivo é fazer com que essas mulheres sejam atendidas de forma mais humanizada, mais próxima, além de facilitar o acesso a esses equipamentos que são fundamentais para o acompanhamento destes casos e, assim, minimizar os riscos para as mães e os bebês”, comenta.

com informações do CabezaNews, parceiro do Busão Foz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Casal é preso com mais de R$ 1 milhão em dinheiro vivo no interior do PR

Um casal foi preso em flagrante, neste sábado (10), com mais de R$ 1,2 milhão em dinheiro vivo, sem comprovação de origem. O caso foi registrado na BR-277, em Cascavel, no oeste do Paraná.

O caso foi repassado pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) à Polícia Federal.

Segundo os agentes que efetuaram as prisões em flagrante, o casal foi abordado durante uma inspeção de rotina. O motorista se apresentou como policial civil, com carteira funcional e uma arma da corporação.

Ao vistoriarem o interior do veículo, os policiais rodoviários federais encontraram sacolas e uma caixa de papelão com uma grande quantia de dinheiro vivo.

As informações são do Paraná Portal

com informações do CabezaNews, parceiro do Busão Foz

Foz do Iguaçu identifica frascos de CoronaVac com quantidade menor de doses

Outras cidades do Paraná também encontraram frascos da vacina com menor rendimento. A Secretaria de Estado de Saúde acompanha os relatos

Pelo menos sete municípios do Paraná, entre eles Foz do Iguaçu, identificaram frascos de vacina CoronaVac com quantidades menores de imunizante que as descritas na embalagem. Segundo as prefeituras, os frascos com problema tiveram rendimento menor de aplicação, sendo suficientes para apenas nove doses, enquanto o previsto na embalagem eram 10.

De acordo com informações do G1 Paraná, em Foz do Iguaçu a Secretaria Municipal de Saúde confirmou a identificação de frascos com menos dose, mas disse que ainda não fez notificação ao Ministério da Saúde. O mesmo problema também foi encontrado em Curitiba, Londrina, Cianorte, Umuarama, Ponta Grossa e Cascavel.

Procurado pela reportagem, o Instituto Butantan afirmou que os frascos da CoronaVac são envasados com 5,7 mL e que o problema “não se trata de falha nos processos de produção ou liberação dos lotes pelo Butantan”.

“Todas as notificações recebidas pelo instituto até o momento relatando suposto rendimento menor das ampolas foram devidamente investigadas, e identificou-se, em todos os casos, prática incorreta na extração das doses nos serviços de vacinação”, cita trecho da nota.

Por meio de nota, a Anvisa afirmou que “observou um aumento de queixas técnicas relacionadas à redução de volume nas ampolas da vacina” e que os relatos estão sendo investigados como prioridade pela área de fiscalização da agência.

Disse, ainda, que avalia todas as hipóteses “para que se verifique a origem do problema e não haja prejuízos à vacinação em curso no país”.

Procurada, a Secretaria de Estado de Saúde (Sesa) informou que os registros acontecem nas 27 unidades federativas e que a secretaria acompanha os relatos. Além disso, disse que todas as regionais de saúde e municípios estão orientados de como proceder caso identifiquem o problema.

As informações são de Portal da Cidade

com informações do CabezaNews, parceiro do Busão Foz