Casal é preso com mais de R$ 1 milhão em dinheiro vivo no interior do PR

Um casal foi preso em flagrante, neste sábado (10), com mais de R$ 1,2 milhão em dinheiro vivo, sem comprovação de origem. O caso foi registrado na BR-277, em Cascavel, no oeste do Paraná.

O caso foi repassado pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) à Polícia Federal.

Segundo os agentes que efetuaram as prisões em flagrante, o casal foi abordado durante uma inspeção de rotina. O motorista se apresentou como policial civil, com carteira funcional e uma arma da corporação.

Ao vistoriarem o interior do veículo, os policiais rodoviários federais encontraram sacolas e uma caixa de papelão com uma grande quantia de dinheiro vivo.

As informações são do Paraná Portal

com informações do CabezaNews, parceiro do Busão Foz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Feiras livres de Foz do Iguaçu aliam riqueza cultural, geração de renda e se tornam pontos turísticos da cidade

São sete tradicionais feirinhas espalhadas pelos bairros que oferecem uma oportunidade de lazer para os visitantes e renda aos feirantes

De terça a domingo as ruas de Foz do Iguaçu transformam-se em um corredor da diversidade. Quem passa por elas pode encontrar, por exemplo, produtos coloniais, artesanatos e alimentos frescos. O roteiro da Feira das Nações, tradicional circuito de feirinhas de rua da cidade, é composto não apenas por uma variedade de produtos, mas também sotaques e costumes que trazem parte da história das origens da tríplice fronteira.

As feiras estão espalhadas por todas as regiões da cidade. Nos bairros, como a Vila C, Vila A, Porto Meira, Vila Yolanda, Morumbi, Jardim São Paulo, e no centro, sendo a da Avenida Juscelino Kubitschek a principal referência.

“As feiras livres de Foz do Iguaçu são também pontos turísticos muito famosos da cidade. Não só para os visitantes, mas é também um espaço saudável onde famílias iguaçuenses chegam para passar momentos agradáveis e conhecer mais sobre a variedade cultural é um dos grandes diferenciais da nossa fronteira”, afirmou o prefeito Chico Brasileiro.

Geração de renda

A riqueza cultural é uma aliada da geração de trabalho e renda impulsionados pelas feirinhas. Segundo a Fundação Cultural, quase 150 feirantes estão cadastrados para participar dos sete circuitos e outros 130 seguem na lista de espera.

Edma Machado e seu esposo Alderigi Machado trabalham há 17 anos como feirantes. É possível encontrá-los no clássico trailer preto com a “Tapioca da Dona Edma” e na barraquinha de pastel frito na hora, um ponto muito procurado nas feiras.

“Toda a nossa renda vem do trabalho com alimentação nas feiras. Participamos na Vila A e na Avenida JK, sendo muito gratificante e importante ter essa oportunidade de trabalhar em várias feiras”, conta Edma.

Para Lucymeire Amaral de Souza, a participação nesse roteiro foi essencial para uma nova fase na vida. Aposentada, passou a vender artesanatos na feira para uma renda extra e ocupar o tempo. “Sempre fui muito ativa e as feiras me ajudaram a manter essa rotina. Gosto muito, pois podemos expor nossos produtos, apresentando a cultura local e preservando-a. Apesar de estamos em uma fronteira atrativa para os importados, ainda tem pessoas que gostam de presentear com o artesanato. A interação é muito boa”, contou.

Medidas sanitárias contra o coronavírus

Como vários outros setores, a Feira das Nações também foi afetada pela pandemia da Covid-19. Para evitar a transmissão do coronavírus, as atividades foram paralisadas e só retornaram após a Fundação Cultural implantar o Termo de Responsabilidade Sanitária, o que garantiu mais seguranças aos locais.

“Precisávamos garantir o funcionamento dessa atividade com todas as medidas de segurança vigentes, pois muitos desses feirantes tiram toda a renda daqui. A cada vez mostramos a importância das feiras para o município e não medimos esforços para torná-las cada vez melhores”, disse Alexandre Barbosa, diretor de Projetos e Captação de Recursos Culturais.

Calendário de feiras

A principal feira é a que abre a semana, na Avenida JK aos domingos, sempre a partir das 8h. São quase 3 mil m² com áreas para barracas de artesanatos, trailers de alimentação e quiosques. Em poucos passos, você pode experimentar das delícias da culinária chinesa aos tradicionais produtos árabes.

O sucesso da atração é tão grande que recentemente a Fundação Cultual ampliou o circuito e decidiu manter também aos domingos a Feira da Vila A, para ampliar as opções de lazer para os iguaçuenses durante os finais de semana.

Às terças-feiras, o encontro é no Porto Meira; quarta-feira, na Vila A; na quinta-feira, Morumbi e Vila C; sexta-feira, na Vila Yolanda; e aos sábados na Praça da Bíblia e na Vila A – todas elas ficam abertas das 8h às 13h.

com informações do CabezaNews, parceiro do Busão Foz

Novo plano de habitação do Paraná poderá atender até 1,5 mil famílias em Foz do Iguaçu

Prefeito Chico Brasileiro participou, em Curitiba, do lançamento do programa Casa Fácil do Governo do Estado

O prefeito Chico Brasileiro vai anunciar nos próximos dias a segunda fase do programa municipal de habitação que poderá atender mais 1,5 mil famílias em Foz do Iguaçu. Entre o final de 2020 e início de 2022, a Prefeitura de Foz do Iguaçu irá entregar 1,1 mil novas casas. Nesta quarta-feira (12), Chico Brasileiro participou, em Curitiba, do lançamento pelo governador Ratinho Junior do programa Casa Fácil, que vai atender 30 mil famílias, com investimento de R$ 450 milhões.

“Poderemos entregar casas para 2,6 mil famílias, o que representa mais de 12 mil moradores em Foz do Iguaçu”, disse o prefeito, que pediu a inclusão de mais 1,5 mil moradias para Foz e vai acertar detalhes desse novo programa com a Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar) nos próximos dias. Numa conta rápida, os investimentos podem ultrapassar a R$ 22 milhões para Foz.

“Foz tem um déficit habitacional muito alto. Vamos aproveitar o incentivo do Governo do Estado e buscar viabilizar as 1.500 moradias através de contrapartidas com áreas e terrenos para agilizar a construção do máximo possível de moradias para atender a população”, completou.

Chico Brasileiro avalia ainda que a construção das novas moradias vai contribuir, em muito, para a ampliação das frentes de trabalho que estão sendo abertas na cidade. “Todos sabem que a construção civil é o meio mais rápido para criar empregos e de cada nova aberta, temos de três a quatro empregos indiretos”, disse. As obras em Foz, públicas e privadas, estão criando mais de 3,5 mil novos postos de trabalho.

Casa Fácil

Segundo Ratinho Junior, o programa estadual viabiliza a casa própria para famílias com renda de até três salários mínimos que compõem 90% do déficit habitacional do Paraná. Os projetos serão feitos em parceria com o governo federal, prefeituras e iniciativa privada em empreendimentos financiados com recursos do FGTS.

“É o maior programa habitacional feito por um estado. Vamos financiar a entrada das casas para pessoas de baixa renda com recursos a fundo perdido”, afirmou o governador. As prefeituras poderão ofertar contrapartidas como a doação do terreno, execução de serviços de infraestrutura e a isenção de cobrança de impostos: ITBI e ISSQN.

“Estes R$ 450 milhões que o Estado vai investir vão resultar em aproximadamente R$ 3 bilhões movimentados em um contexto mais amplo, com expectativa de geração de cerca de 100 mil empregos diretos e indiretos”, disse o presidente da Cohapar, Jorge Lange.

Nos últimos sete meses, a prefeitura entregou 340 unidades do Residencial Angatuba e 25 casas na Vila C. Também está prevista a entrega dos conjuntos Boicy I e Boicy II, na região de Três Lagoas, com 576 apartamentos. As obras das 40 casas do Condomínio do Idoso estão 90% concluídas. E há ainda as 100 moradias da Cohapar em fase de construção. “Buscamos parcerias com os governos estadual e federal e estamos obtendo êxito”, completou Chico Brasileiro.

com informações do CabezaNews, parceiro do Busão Foz