Sogra do ex-presidente Lula morre depois de contrair covid-19

A sogra do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Vani Terezinha Ferreira, morreu nesta quarta-feira (28/10), data que completaria 80 anos, devido a complicações da covid-19. O anúncio do falecimento foi feito pelo ex-presidente, por meio de uma nota, nas redes sociais.

Segundo a nota, a mãe Rosangela Silva, conhecida como Janja, mulher de Lula, contraiu a doença quando precisou ser internada devido a uma infecção urinária. “Dona Vani havia contraído o covid após precisar passar por uma internação durante um episódio de infecção urinária. Ela é mais umas das milhares de vítimas brasileiras dessa doença terrível”, explica o comunicado.

A mãe de Janja ficou na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital das Clínicas de São Bernardo do Campo por 15 dias e chegou a receber alta, mas teve complicações posteriores.

Leia mais em Correio Braziliense

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Covid-19: Brasil registra 24.468 casos e 272 mortes em 24 horas

O Brasil registrou neste domingo (29) 6.314.740 casos confirmados do novo coronavirus, conforme balanço divulgado pelo Ministério da Saúde. Foram computados 24.468 novos casos e 272 mortes nas últimas 24 horas e existem 2.177 óbitos em investigação. Desde o início da pandemia ocorreram em todo o país 172.833 óbitos. 

Conforme o balanço, 563.789 pessoas estão em acompanhamento. O número de recuperados está em 5.578.118.

Nos estados

Os estados com mais mortes pela covid-19 são São Paulo (42.076), Rio de Janeiro (22.561), Minas Gerais (10.031), Ceará (9.607) e Pernambuco (9.030). As unidades da Federação com menos óbitos pela doença são Acre (723), Roraima (727), Amapá (806), Tocantins (1.162) e Rondônia (1.555).

 

Situação epidemiológica da covid-19 no Brasil 29/11/2020

Singapura estuda caso de bebê nascido com anticorpos da covid-19

Médicos estão estudando o impacto da covid-19 em gestantes e recém-nascidos em Singapura, onde um bebê nascido de uma mãe infectada no início deste mês mostrou ter anticorpos contra o vírus, mas não a doença.

O estudo em andamento nos hospitais públicos da cidade-Estado amplia os esforços internacionais para entender melhor se a infecção ou os anticorpos podem ser transferidos durante a gravidez e se ela oferece um escudo de proteção contra o vírus.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) diz que, embora algumas gestantes tenham risco maior de desenvolver casos graves de covid-19, ainda não se sabe se uma gestante infectada pode passar o vírus ao feto ou bebê durante a gravidez ou o parto.

Uma moradora de Singapura infectada com o coronavírus em março, quando estava grávida, disse ao jornal local Straits Times que médicos lhe disseram que seu filho tinha anticorpos contra o vírus, mas que nasceu sem a infecção.

“Ainda não se sabe se a presença desses anticorpos em um recém-nascido confere um grau de proteção contra a infecção de covid-19, muito menos a duração da proteção”, disse Tan Hak Koon, presidente da Divisão de Obstetrícia e Ginecologia do Hospital Feminino e Pediátrico KK.

O KK é um dos hospitais envolvidos no estudo de gestantes infectadas em Singapura, que se tornou conhecido depois que o caso do bebê veio a público.