Meninos do Lago amplia vagas para atender mulheres mastectomizadas.

As equipes de imprensa interessadas em acompanhar devem preencher o formulário https://forms.gle/R17P8aG4pCcXQbCw9 disponível em até as 11h de amanhã, terça-feira (27).

Início das atividades das remadoras será na próxima quarta-feira (28), no mirante do Canal da Piracema, na Itaipu.

O projeto Meninos do Lago, iniciativa do Instituto Meninos do Lago (Imel) apoiada pela Itaipu, margem brasileira, vai ampliar de 19 para 34 o número de vagas da paracanoagem, especialmente para atender mulheres mastectomizadas (submetidas à retirada das mamas para tratamento de câncer).

A solenidade que marcará o início das atividades das “remadoras rosas” será na quarta-feira (28), às 9h, no mirante do Canal da Piracema, na Itaipu. Além das atletas, devem participar integrantes do Imel e parte da diretoria da binacional.

Para o general Joaquim Silva e Luna, diretor-geral brasileiro da Itaipu, a iniciativa é uma forma de mostrar apoio a um grupo de mulheres que podem ser consideradas vencedoras: “por terem vencido o câncer, elas são um exemplo de força para todos nós. São guerreiras”, disse. E acrescenta: “incentivar o esporte é investir na qualidade de vida da nossa gente”.

A ação faz parte das iniciativas de Itaipu alusivas ao Outubro Rosa, de alerta ao câncer de mama, e conta com o apoio do Programa de Diversidade da empresa.

A binacional também iluminou estruturas, como o Centro Executivo e a Concha Acústica, entre outras, com as cores da ação. Para o público interno, Itaipu promoverá um webinar no dia 28 com especialistas em saúde.

Paratletas
Atualmente, o projeto Meninos do Lago conta com 19 paracanoístas. A maioria é cadeirante e a canoagem serve como atividade física, terapia e auxílio na qualidade de vida.

As mulheres mastectomizadas são consideradas paratletas porque, legalmente, uma pessoa com qualquer tipo de câncer é considerada pessoa com deficiência física (PCD), inclusive aquelas que passaram por mastectomia. Para esse público, a paracanoagem fortalece os membros superiores, minimiza sequelas da doença e aumenta a autoestima.

As remadoras fazem parte de um grupo conhecido como Flor de Lótus, que reúne mulheres que superaram o câncer de mama. A “capitã” desse time é Regina de Castro Santos, de 61 anos. Ela chegou a Foz em janeiro deste ano, vinda de Brasília (DF).

A capital federal foi a pioneira, no Brasil, na instituição de um time de “canoagem rosa”. “Trouxe comigo a experiência e o desejo de mudar a vida de mulheres que viveram o mesmo drama que eu”, diz Regina.

As mastectomizadas treinam na categoria dragon boat (barco-dragão), uma longa canoa, de origem chinesa, em que os compassos das remadas são ditados por um tambor. Existem 236 equipes de remadoras rosas em 29 países. As de Foz do Iguaçu serão a 11ª equipe do Brasil.

Segundo o técnico e fisioterapeuta Luiz Augusto Mazine Santos, as remadoras atuam como uma “rede de apoio entre elas e contribuem para a motivação para outras mulheres que ainda combatem à doença”.

História
As remadoras rosas surgiram no Canadá, na década de 1990, a partir da pesquisa do médico Donald McKenzie. Ele passou a indicar o esporte principalmente para combater linfedema (de braço), doença que causa dor e debilita o paciente.

Até então, exercícios com esforços repetitivos em membros superiores do corpo eram desaconselhados, por se acreditar em consequências negativas. Os estudos e a prática comprovaram o contrário, e a atividade passou a ser incentivada entre as mastectomizadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Michelle Bolsonaro visitará a Associação de Pais e Amigos dos Surdos de Foz do Iguaçu

A esposa do presidente Jair Bolsonaro acompanha a comitiva nesta terça-feira em Foz do Iguaçu.

A Associação de Pais e Amigos dos Surdos Foz do Iguaçu (Apasfi) recebe na manhã desta terça-feira (1) a visita da primeira-dama Michelle Bolsonaro, que acompanha a comitiva presidencial na cidade.

A diretora da Apasfi, Márcia Madalena, disse que a visita é uma surpresa. “Não esperávamos receber essa visita. O que a gente sabe é que a Michele é super envolvida com a causa das pessoas surdas, então por esse motivo acredito que ela quis conhecer nossa escola, nosso trabalho e a realidade das pessoas surdas em Foz”, disse.

Márcia acredita que a primeira-dama anuncie algum projeto em relação a educação dos surdos. “É uma das bandeiras da primeira-dama, a educação e melhoria da qualidade de vida das pessoas surdas”.

A Apasfi é uma entidade criada em Foz do Iguaçu, há 38 anos. Atualmente a Associação atende 72 alunos da educação infantil e ensino fundamental. Após passarem para o ensino médio, os alunos ainda continuam sendo atendidos pela Apasfi através de cursos extracurriculares.

“Também fazemos um trabalho de assistência social, atendo os surdos nas necessidades que eles tem, e fazemos a inclusão no mercado de trabalho e trabalhamos com cursos de libras para a comunidade”, disse a diretora.

Por: Rádio Cultura

Coronavírus: Novo decreto limita horário de atividades e serviços noturnos em Foz do Iguaçu

A Prefeitura de Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, limitou o horário de funcionamento de algumas atividades na cidade por causa da pandemia. O decreto foi publicado na tarde desta segunda-feira (30).

De acordo com a determinação, os serviços e eventos devem ser encerrados até a meia-noite a partir de terça-feira (1º).

Veja os locais que devem seguir a nova norma:

  • Casas noturnas
  • Bares
  • Restaurantes
  • Lanchonetes
  • Food trucks
  • Trailers de alimentos
  • Mercearias
  • Eventos sociais
  • Distribuidora de bebidas
  • Lojas de conveniências
  • Tabacarias
  • Associações recreativas
  • Clubes privados
  • Pesque-pagues
  • Balneários
  • Salões de baile sem pista de dança

 

A prefeitura também proibiu o consumo de bebidas alcoólicas em vias públicas da 0h até as 6h. O novo decreto tem validade de até 14 dias.

Leia mais no G1