Número de denúncias sobre violência contra idosos aumenta 87% no Paraná durante a pandemia

O número de denúncias sobre violência contra idosos aumentou 87% no Paraná durante a pandemia, de acordo com a central Disque Idoso. A comparação foi feita com o mesmo período do ano passado.

O serviço do Disque Idosos está disponível em todos as cidades do estado. O número é: 0800 141 00 01.

Desde 27 de setembro, o número telefônico passou a ter 11 dígitos. A ligação é gratuita e sigilosa.

O atendimento no Disque Idosos é das 8h30 às 17h30, de segunda a sexta-feira.

Leia mais no G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ponte da Amizade contará com plataforma térmica para controle migratório

A Direção Geral de Migração do Paraguai, em Ciudad del Este, recebeu a doação de uma plataforma de imagem térmica da empresa de telecomunicações Huawei, no âmbito das suas ações de compromisso social.

O equipamento consiste em uma plataforma de imagem térmica que será usada no posto de controle de imigração da Ponte Internacional da Amizade, no contexto da pandemia de Covid-19. Esta ferramenta proporcionará maior segurança em matéria de saúde, especialmente aos fiscais de imigração encarregados de controlar e registrar a entrada de pessoas no território nacional.

É importante lembrar que a passagem de fronteira entre Ciudad del Este e Foz do Iguaçu foi reaberta no dia 15 de outubro, após sete meses de fechamento total, como medida para evitar a propagação do coronavírus.

A passagem de brasileiros não residentes no Paraguai é permitida somente através de veículos, no período das 5h às 14h, podendo permanecer até 24h no território paraguaio. O retorno ao Brasil é permitido a qualquer horário.

Meninos do Lago amplia vagas para atender mulheres mastectomizadas.

As equipes de imprensa interessadas em acompanhar devem preencher o formulário https://forms.gle/R17P8aG4pCcXQbCw9 disponível em até as 11h de amanhã, terça-feira (27).

Início das atividades das remadoras será na próxima quarta-feira (28), no mirante do Canal da Piracema, na Itaipu.

O projeto Meninos do Lago, iniciativa do Instituto Meninos do Lago (Imel) apoiada pela Itaipu, margem brasileira, vai ampliar de 19 para 34 o número de vagas da paracanoagem, especialmente para atender mulheres mastectomizadas (submetidas à retirada das mamas para tratamento de câncer).

A solenidade que marcará o início das atividades das “remadoras rosas” será na quarta-feira (28), às 9h, no mirante do Canal da Piracema, na Itaipu. Além das atletas, devem participar integrantes do Imel e parte da diretoria da binacional.

Para o general Joaquim Silva e Luna, diretor-geral brasileiro da Itaipu, a iniciativa é uma forma de mostrar apoio a um grupo de mulheres que podem ser consideradas vencedoras: “por terem vencido o câncer, elas são um exemplo de força para todos nós. São guerreiras”, disse. E acrescenta: “incentivar o esporte é investir na qualidade de vida da nossa gente”.

A ação faz parte das iniciativas de Itaipu alusivas ao Outubro Rosa, de alerta ao câncer de mama, e conta com o apoio do Programa de Diversidade da empresa.

A binacional também iluminou estruturas, como o Centro Executivo e a Concha Acústica, entre outras, com as cores da ação. Para o público interno, Itaipu promoverá um webinar no dia 28 com especialistas em saúde.

Paratletas
Atualmente, o projeto Meninos do Lago conta com 19 paracanoístas. A maioria é cadeirante e a canoagem serve como atividade física, terapia e auxílio na qualidade de vida.

As mulheres mastectomizadas são consideradas paratletas porque, legalmente, uma pessoa com qualquer tipo de câncer é considerada pessoa com deficiência física (PCD), inclusive aquelas que passaram por mastectomia. Para esse público, a paracanoagem fortalece os membros superiores, minimiza sequelas da doença e aumenta a autoestima.

As remadoras fazem parte de um grupo conhecido como Flor de Lótus, que reúne mulheres que superaram o câncer de mama. A “capitã” desse time é Regina de Castro Santos, de 61 anos. Ela chegou a Foz em janeiro deste ano, vinda de Brasília (DF).

A capital federal foi a pioneira, no Brasil, na instituição de um time de “canoagem rosa”. “Trouxe comigo a experiência e o desejo de mudar a vida de mulheres que viveram o mesmo drama que eu”, diz Regina.

As mastectomizadas treinam na categoria dragon boat (barco-dragão), uma longa canoa, de origem chinesa, em que os compassos das remadas são ditados por um tambor. Existem 236 equipes de remadoras rosas em 29 países. As de Foz do Iguaçu serão a 11ª equipe do Brasil.

Segundo o técnico e fisioterapeuta Luiz Augusto Mazine Santos, as remadoras atuam como uma “rede de apoio entre elas e contribuem para a motivação para outras mulheres que ainda combatem à doença”.

História
As remadoras rosas surgiram no Canadá, na década de 1990, a partir da pesquisa do médico Donald McKenzie. Ele passou a indicar o esporte principalmente para combater linfedema (de braço), doença que causa dor e debilita o paciente.

Até então, exercícios com esforços repetitivos em membros superiores do corpo eram desaconselhados, por se acreditar em consequências negativas. Os estudos e a prática comprovaram o contrário, e a atividade passou a ser incentivada entre as mastectomizadas.