Polícia Federal deflagra a Operação “APOCALIPSE”.

Foz do Iguaçu – A Polícia Federal deflagrou a operação policial denominada “Apocalipse”, que tem como propósito desarticular uma organização criminosa inserida no âmbito do Poder Executivo de um município pertencente à circunscrição da Delegacia Regional de Foz do Iguaçu.

Estão sendo cumpridas 130 ordens judiciais, sendo duas de prisão preventiva, quatro de prisão temporária, 51 mandados de busca e apreensão e 44 ordens de afastamento de sigilo bancário e fiscal.
Além destas medidas, por meio de 30 ordens específicas, foi realizado o bloqueio de ativos financeiros e a constrição patrimonial na ordem de 20 milhões de reais.
Referidas ordens foram expedidas pelo egrégio Tribunal Regional Federal da 4a Região, que tem jurisdição nos estados da região Sul do Brasil.
A investigação tramita nesse Tribunal porque um dos investigados possui foro por prerrogativa de função.

As investigações revelaram indícios de práticas delitivas perpetradas por uma organização criminosa infiltrada no Poder Executivo de um município localizado na região oeste do Estado do Paraná, especializada no cometimento de fraudes em licitações, desvio de recursos públicos, falsidade e uso de documentos e lavagem de capitais dos ativos ilicitamente angariados.

De forma resumida, o esquema criminoso iniciava por meio de fraudes em processos licitatórios das secretarias de relacionadas à saúde pública, limpeza urbana e esporte e cultura.
Os elementos angariados demonstram que as empresas selecionadas, algumas delas apenas de fachada, estavam relacionadas, direta ou indiretamente, a um empresário municipal. Com os contratos em vigor, foram realizadas inúmeras manobras ardilosas que possibilitaram o desvio de recursos públicos e enriquecimento ilícito daqueles que foram identificados como os supostos líderes da organização criminosa. Essas práticas possibilitaram uma exponencial evolução patrimonial de alguns investigados, cujos bens estavam ocultados em nome de interpostas pessoas, mas foram revelados pelas medidas investigativas adotadas no bojo da presente investigação.
No período de 2013 a 2020, em 25 procedimentos licitatórios, foram movimentados mais de R$ 60 milhões de verbas públicas por meio de 25 contratos celebrados com as empresas do grupo.
Foram encontrados robustos elementos que indicam que até o procedimento licitatório relacionado ao combate da pandemia causada pelo coronavírus foi manipulado pela  organização criminosa.
A operação, batizada de “Apocalipse”, tem seu nome relacionado ao padroeiro da cidade onde os fatos foram praticados, Arcanjo Miguel, o qual é reportado no livro de Apocalipse como um guerreiro na luta contra o mal.

Comunicação Social da Polícia Federal em Foz do Iguaçu/PR
45-3576-5515

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Paulo tem projeto para o Centro Cívico que vai economizar milhões e facilitar a vida dos cidadãos.

As repartições estão espalhadas pela cidade em imóveis alugados que em quatros anos custam R$ 16,8 milhões aos cofres públicos.

Atualmente quem precisa de um serviço na prefeitura muitas vezes precisa ir de um lado a outro da cidade enfrentando transtorno e perdendo tempo e dinheiro. As repartições estão espalhadas pela cidade em imóveis alugados que em quatros anos custam R$ 16,8 milhões aos cofres públicos

Paulo tem um novo projeto

O candidato a prefeito Paulo Mac Donald apresentou um novo projeto para o centro cívico que vai reunir em um só espaço todas as secretarias, gabinetes e departamentos da prefeitura, além da Câmara Municipal, teatro, CMEI, biblioteca, quadra de esportes, refeitório e estacionamento amplo.

Para tanto, Paulo pretende reaver para o Município um terreno da União de 130 mil metros quadrados, localizado próximo da Avenida Paraná, na extensão que vai desde a Avenida José Maria de Brito até a BR-277. No final da gestão de Mac Donald, em 2012, depois de muita luta, o terreno foi repassado ao Município, mas os dois governos seguintes nada fizeram, sequer iniciaram a obra e por força de lei, o imóvel retornou automaticamente para o domínio da União.

Descaso

“No governo passado, fizeram até o lançamento da pedra fundamental, e não fizeram mais nada. Era só iniciar a obra, começar que aí já garantia a posse do terreno. Eles não fizeram nada e perderam o terreno, que é muito importante para o município. Vai acabar com o vai e vem, para lá e para cá da população quando precisa procurar uma repartição pública. Os governos anteriores preferiram desperdiçar o dinheiro com aluguel de R$ 4,2 milhões por ano, ou seja, R$ 16,8 milhões em quatro ano, valor que construiria a sede própria da prefeitura”, afirmou Mac Donald.

O candidato diz que a cidade só não tem o centro cívico “por absoluto descaso, abandono e incompetência, despreparo e falta de visão dos que comandaram a prefeitura nos últimos oito anos. Temos um bom diálogo com o governo federal e vamos atrás, lutar para reconquistar e finalmente a gente fazer o nosso centro cívico como é para ser”.

Solução

Reavendo a posse do terreno, a ideia é usar parte do imóvel para alavancar recursos para a construção. “Planejamos deixar uma área para vender lotes para iniciativa privada instalar os empreendimentos. Com o dinheiro desses lotes vamos construir a sede. Assim, além de não gastar, vamos economizar os milhões com aluguel”, concluiu Paulo Mac Donald.

Nasa anuncia descoberta de água em estado líquido na Lua

O Observatório Estratosférico de Astronomia Infravermelha (Sofia, na sigla em inglês) da Nasa, a agência aeroespacial norte americana, anunciou hoje (26) a descoberta de água na superfície iluminada da Lua.

Moléculas de H²O foram achadas na cratera Clavius, localizada no hemisfério sul lunar, uma das maiores crateras visíveis do satélite natural. Observações anteriores já haviam mostrado a presença de hidrogênio no local, mas essa é a primeira vez que água é detectada na Lua.

A quantidade de água detectada é o equivalente a 354,9 mililitros, um pouco mais da metade de uma garrafinha de água mineral. O líquido está contido em um metro cúbico de solo espalhado pela superfície lunar.

“Tínhamos indicação de possibilidade da presença de H²O no lado iluminado pelo Sol da Lua”, afirmou Paul Hertz, diretor da divisão de Astrofísica da Nasa, durante o evento de divulgação da descoberta. “Agora sabemos onde está. Essa descoberta desafia nossa compreensão da superfície lunar e levanta questões intrigantes sobre recursos na exploração do espaço profundo”, concluiu.

Recurso escasso

Apesar da importância da descoberta, a quantidade de água achada em solo lunar serve para confirmar novamente uma afirmação antiga da ciência: a água é um recurso extremamente escasso e raro na natureza. Segundo dados da Nasa, em comparação, o Deserto do Saara tem 100 vezes a quantidade de água detectada em solo lunar.

“A água é um recurso precioso, tanto para propósitos científicos quanto para os nossos exploradores”, disse Jacob Bleacher, chefe de Exploração Científica da Nasa. “Se pudermos usar o recurso na Lua, podemos levar menor quantidade [de água] e mais equipamento para ajudar em novas descobertas científicas”, salientou.